Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

{Cotovia} e Companhia

Olá Pessoas! Bem-vindas ao blogue da Cotovia onde (m)ando {cotovia}ando! Sigam a cor deste vôo: "Nascemos poetas, só é preciso lembrá-lo. Saber é quase tudo. Sentir é o Mundo." @mafalda.carmona

Olá Pessoas! Bem-vindas ao blogue da Cotovia onde (m)ando {cotovia}ando! Sigam a cor deste vôo: "Nascemos poetas, só é preciso lembrá-lo. Saber é quase tudo. Sentir é o Mundo." @mafalda.carmona

{Cotovia} e Companhia

13
Mar23

New Red...


Cotovia@mafalda.carmona

  • Ora muito boa segunda feira, Pessoas!
    Espero que estejam refeitas do efeito Óscares mais seu sui generis tapete vermelho, só que não, que o champanhe é o new red.


Acho super oportuno falar sobre o Óscar atribuido na categoria de curtas de animação, onde o Ice Merchants era um sério candidato.


Era, no entanto, uma luta difícil pois o vencedor já cá andava há algum tempo, e foi livro antes de ser animação.

1571738821_dreams.png

Por isso foi granjeando apoio e admiradores, entre eles eu mesma que em 2019 publiquei um post inspirado (não pela qualidade do post, mesmo só a inspiração que a toupeira me emprestou) nestes amigos improváveis e que agora re-partilho novamente, aqui.

mole  t S t.jpg

Quanto ao Ice Merchants, a nomeação é de certeza um reconhecimento da sua qualidade e mérito, fica para uma próxima a oportunidade da premiação, deste ou de tantos outros filmes made in Portugal ❤️!

Boa semana, Pessoas!

12
Mar23

Sofia...


Cotovia@mafalda.carmona

  • ... era uma menina pequenina, e nos seus olhos de 2 anos e muitos, o mundo era feito de pessoas boas e generosas, como o "seu" J. e a Dona.B. a quem chamava TiTi.


Sofia vivia com a sua mãe, e cedo percebeu, também com as suas duas irmãs, mais velhas, a viverem na vertiginosa adolescência, uma loira e outra morena, tal como a canção de João, aliás Marco Paulo, mas que Sofia não podia, então adivinhar. No entanto, por detrás dos olhos de castanheiro serenos, Sofia adivinhava outras coisas, que registava calada e guardava delas segredo, porque as crianças são quem guarda, melhor, os maiores, e por vezes, os mais terríveis segredos.


Para a Sofia, havia coisas raras e estranhas na família. Desde já nunca vira o seu pai, e dele só sabia o nome, o papá J.

No entanto tinha o "outro" papá, o seu J, homem cheio de candura que trabalhava em Vila Franca de Xira, a levava ao cinema de bancos corridos ver filmes nas tardes dos domingos, lhe trouxe um cachorro abandonado na estação do comboio, a quem a mãe de Sofia chamou Bonnie, e no fim de vida o empurrou para as mãos de um caçador, porque descobriu tardiamente que a sua vocação era ser cão farejador, mesmo se Sofia sabia que o Bonnie estava velho, meio surdo e cego, ficou feliz em saber que graças ao seu nariz, lá se iria realizar o seu destino de cão preto e barbudo, meigo e obediente, a caçar nuvens no céu azul.


Este outro J. dividia a vida com a sua esposa, a Dona B. a Titi de Sofia que a levava a passear à praia, fazia croché debaixo do chapéu de Sol, enquanto Sofia, em sua pequena sabedoria construía pontes e túneis nas areias alvas da Costa da Caparica, antes de regressarem de comboio para o parque de campismo, onde no balneário  tomava um belo banho, para levar os restos de areia, e trazer sonhos bons da cor do mar e do por-do-sol cor de rosa.


Dizia quem nada sabia desta família e da sua estranha geografia, a culpa da sua desventura, tinha sido de uma tempestade em mar alto, que a tinha amaldiçoado, na viagem de transatlântico daqui até as colónias lá muito distantes, entre paisagens tropicais e marés dissonantes.


Dizia a Sofia, no dia em que o seu papá J. chegou com uma boneca pela mão para a levar mais a mãe e irmãs para terras distantes, "Não és o meu J, aquele é que é o meu J. Não te quero nem à boneca."


Mas nem os apelos nem o choro, nem o seu J. e a sua Titi, lhe valeram, e nas vagas do Atlântico adivinhou com toda a certeza o naufrágio daquele Titanic: "A minha vida nunca mais vai ser a mesma..."

costa-concordia14012012-original1.png

10
Mar23

Divagações...


Cotovia@mafalda.carmona

...ou reflexões

  • porque hoje é sexta feira, e talvez porque é o dia que antecede o fim-de-semana, talvez porque a Cotovia nasceu a uma sexta-feira, talvez porque cedo à tentação de divagar, hoje estive a atualizar o texto de apresentação do blog no perfil da Cotovia e Companhia.

 

Para quem de vós Pessoas, passam aqui de visita e que acompanham o meu blog, sabem que um dos objetivos é melhorar a escrita, bem como compartilhar livros e recursos, opiniões e reflexões. No entanto, hoje vou escrever sobre uma coisa um pouco diferente, pois quero partilhar as aprendizagens feitas até agora e apontar alguns dos pontos a favor e contra que encontrei ao longo deste caminho:

 

Pontos a favor:

Aprender novas técnicas e recursos que me ajudam a melhorar a minha escrita;

Conhecer outras pessoas que compartilham (e se são partilhas de textos lindos e emotivos, fazem sentir e pensar a um só tempo) a mesma paixão pela escrita;

Ter um lugar para partilhar a minha escrita e receber feedback construtivo.

 

Pontos contra:

O processo de aprendizagem pode ser longo e exigir muita paciência e perseverança;

Nem sempre é fácil receber feedback, tento ler nas entrelinhas dos comentários mas sinto que as críticas não apontam aspetos negativos, que sei que têm;

Às vezes é difícil conciliar a dedicação à escrita com outras responsabilidades da vida.

 

No entanto, mesmo com estes desafios, estou comprometida em continuar a aprender e melhorar a minha escrita, como diz Stephen King:

"A única coisa que precisa saber sobre escrever é que deve fazê-lo".

Screenshot_2023-03-10-12-22-37-158-edit_com.google

E, não importa se somos iniciantes ou escritores experientes, o importante é estar presente, sentar e escrever todos os dias, tentar desenvolver um estilo próprio, e, se possível, encontrar a própria voz.

Todos os dias que publico um novo post tento lembrar-me de que a dedicação e perseverança são fundamentais para melhorar e alcançar os objetivos, mas por vezes é um processo complexo e exigente, mesmo se na maioria das vezes é divertido e gratificante, outras sinto que o resultado não é satisfatório, e que o caminho é longo e os voos continuam um pouco desgovernados, pois ainda há muito para aprender.

E é por isso que gostaria de pedir a vossa opinião e sugestões: 

Vocês têm encontrado respostas para as vossas dúvidas? Quais são as vossas principais dificuldades e conquistas? Será que poderiam partilhar algumas sugestões que têm funcionado para vocês?

E é isso, um abraço e um beijinho, boa sexta-feira Pessoas da minha vida!

P.S.

Aqui fica também o link para a atualização do texto de boas vindas no perfil da Cotovia e Companhia.

P.S.#2

Já aqui falei inúmeras vezes na escritora Sara Farinha, pois foi através dela que descobri o espaço do Sapo. Por motivos que respeito, e não me impedem de continuar a ler tudo o que a Sara escreve, sou fã, não escondo, a Sara Farinha passou a ter um blog noutro formato e noutra plataforma. 

Também ela tem muitas sugestões para quem quer aprender, podem ver mais seguindo o link aqui para o sítio da Sara.

07
Mar23

Arrábida...

Destaque no Sapo Blogs! Obrigada Equipa!


Cotovia@mafalda.carmona

...Para que te quero?...

  • ou o que se passa na Serra da Arrábida, avistada desde o topo do Parque Eduardo VII, a emoldurar alguns dos mais significativos eventos da capital, desde festejos de Santo António, à feira do livro e agora até palco papal (ou um dos papapalcos das discordias, este envolvendo além do mais um atentado à propriedade artistica, que tal como a demais legislação é "letra morta"), para a qual o nosso marquês predileto, o de Pombal, olha de frente, provavelmente um último olhar antes de lhe virar as costas, assim como, ao que parece, faz o poder central...

Ou como a descreveu Frei Agostinho da Cruz (e conforme Orlando Ribeiro na obra "A Arrábida -esboço geográfico):

 "Alta serra deserta, donde vejo

As agoas do Oceano duma banda,

E doutra já salgadas as do Tejo

Verdes bosques da Serra

Por antre penedias

Por mãos da natureza repartidos.

SmartSelect_20230307_173809_Chrome.jpg

Ou ainda, como eu não queria nada com a política,  mas a política parece que se põe mesmo a jeito para uns "comentariozinhos", ou mesmo um post, portanto aqui fica este post que é mais do que uma opinião, um alerta.

Desde que me mudei para esta região, tenho aproveitado a beleza das paisagens de mar e campo, que foram, a par com o estilo de vida tranquilo, e a familia ter tido em tempos uma casa na Aldeia da Piedade, os motivos que levaram a familia a vir viver para aqui, vinda de outros mares, os da Costa da Caparica.

No entanto, nem tudo é perfeito aqui em Sesimbra.

Recentemente, li um artigo sobre a intenção da empresa Secil de alargar a área das  pedreiras na Serra da Arrábida. Se este plano for aprovado, a empresa terá mais reservas próprias de calcário, o que significa menos camiões a circular, menos ruído e menos poluição do ar, poluição essa que se nota cada vez mais, na prática. Porque quanto ao restante, parece apenas teoria, e argumentos que ficam bem no papel.

Porque na prática, factualmente, a ampliação das pedreiras irá afetar a paisagem natural da Serra da Arrábida e irá prejudicar a biodiversidade local, pelo que não consigo deixar de pensar nas questões ecológicas que afetam esta área, bem como  em todas onde há exploração da indústria dos inertes, nomeadamente a questão da exploração intensiva, sem reposição de espécies de flora e fauna (o que a partir de um determinado ponto é impossível e utópico, os chamados devaneios) e consequente aumento do número de camiões e transporte intensivo e das consequências para a degradação da paisagem natural, sem falar nas consequências relativas à segurança na circulação de veículos na estrada nacional e os inúmeros acidentes registados com perda de vida humana.

Ainda sobre a notícia, com o título:

"Secil quer alargar área de pedreiras na Arrábida. Associação Zero diz que é “ilegal”.

Segundo a notícia, a empresa Secil pretende ampliar a área em 18,5 hectares para garantir reservas próprias de calcário para a nova linha de produção de cimento. Embora a empresa afirme que o projeto é “mais sustentável do que o atual, com menos impactos na paisagem e no ambiente”, a associação ambientalista Zero, através do presidente Francisco Ferreira, considera que este projeto é "ilegal" e que a legislação do Parque Natural da Arrábida é muito clara ao impedir a expansão da área de pedreiras.

SmartSelect_20230307_173702_Chrome.jpg

Concordo com a associação ambientalista Zero, e por um lado, preocupa-me a legislação valer zero (e nem sequer existe oposição a isto), por outro, o alheamento da comunicação social para este problema, aparentemente fora da agenda, pois sempre nos apresentam em "pack" as notícias. Ora estamos na semana dos ataques pelos cães, ora estamos em semana dos idosos, e dos lares, e ainda não tivemos a semana da destruição da paisagem e das serras deste país, nem vamos ter, suponho não interesse aos poderes estabelecidos que se refugiam nos benefícios económicos para a população dessas regiões, mesmo quando as melhorias não são significativas e beneficiam apenas alguns, mesmo se ficarem sem as ditas regiões, transformadas em enormes crateras e vilas cobertas de pó, e um número crescente de patologias respiratórias e oncológicas nos pulmões. 

Não retiro a importância dessas notícias, nem, claro, a dos assuntos internacionais de importância e gravidade, dos quais já falei noutras publicações da Cotovia e Companhia...

Mas, pelo que parece, e é, a preservação da biodiversidade do nosso país, e do que é descentralizado,(como falar sobre pedreiras) é assunto das notícias mesmo só quando envolve mortes imediatas e se reveste de carácter sensacionalista.

Quanto aos maleficios a médio e longo prazo, parecem não estar na pauta do dia.

Ilegal ou "ilegal" (pois quanto a mim só existe esta enorme ilegalidade) existe uma proposta,(a tal que nunca deveria ter existido), para consulta publica até dia 29 de Março. Até porque até onde avalio, por observação do que se passa e é visível nos transportes, a exploração nas pedreiras de Sesimbra não diminuirá com esta alternativa, pois aqui faz-se também a extração das pedras ciclópicas, que não irá cessar.

(Se quiserem ler a notícia na íntegra, deixo aqui o link)

Por outro lado, esta região é conhecida pela sua beleza natural, desde as paisagens deslumbrantes do mar até às montanhas da serra, e sinto uma grande tristeza em ver o contraste entre esta beleza e a poluição gerada pela exploração dos inertes.

SmartSelect_20230307_174159_Chrome.jpg

É importante protegermos o nosso ambiente, as nossas terras e vilas, e deixarmos um mundo melhor, mais saudável e equilibrado, para as gerações dos nossos filhos e netos, e, também podem deixar as vossas sugestões nos comentários e partilhar esta informação com os vossos amigos e familiares que tenham conhecimento nesta matéria, ou sugerir algumas das medidas possíveis.

Porque, como disse Antoine de Saint-Exupéry,:

"Nós não herdamos a terra dos nossos antepassados, nós estamos a  pedi-la emprestada aos nossos filhos".

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quem é esta Cotovia?

Sigam-me Noutros Vôos

{Instagram}

{Cotovia} Instagram Feed

{Facebook}

Ilustração Perfil @mafalda.carmona

Vôos de Outras Aves

Calendário

Março 2023

D S T Q Q S S
1234
567891011
12131415161718
19202122232425
262728293031

Voar ao calhas

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Blogs Portugal

{Cotovia} em Colectânea

Sinopse A Coletânea “ERA UMA VEZ…ALENTEJO” é uma obra que inclui poemas, fotografias, ou obras artísticas originais cujo tema e foco principal seja o Alentejo, e está abrangida no projeto europeu “Antologias Digitais”. Tendo a cidade de Évora sido recentemente nomeada Capital Europeia da Cultura 2027, faz todo o sentido homenagear não só a cidade como também toda a beleza circundante e riqueza cultural da região, e observar as maneiras como estas inspiram as pessoas de vários pontos do globo. Autor: Vários Formato: pdf Edição: 08.05.2023 Ilustração capa e contracapa: Ana Rosado; Vítor Pisco Editora Recanto das LetrasBaixar e-book

{Cotovia} em Antologia

Sinopse Aquilo que temos vindo a testemunhar desde 20 de fevereiro de 2022, provoca em nós sentimentos complexos, melhor expressados através da arte. Esta antologia recolhe estes sentimentos, e distribui-os para quem neles se reconforta e revê. Para o povo ucraniano, fica a mensagem de acolhimento, não só em tempos de crise, mas sempre. Porque é difícil expressar a empatia por palavras, mas aqui fica uma tentativa, por 32 autores, nacionais e internacionais. Autor: Instituto Cultural de Évora Formato: pdf Edição: 14.08.2023 Ilustração capa e contracapa: Ana Rosado Editora Recanto das Letras

{Apoio à Vítima}

A APAV tem como missão apoiar as vítimas de crime, suas famílias e amigos, prestando-lhes serviços de qualidade, gratuitos e confidenciais. É uma organização sem fins lucrativos e de voluntariado, que apoia, de forma qualificada e humanizada, vítimas de crimes através da sua Rede Nacional de Gabinetes de Apoio à Vítima e da sua Linha de Apoio à Vítima – 116 006 (dias úteis: 09h – 21h). Aquando de um crime, muitas pessoas, para além da vítima directa, serão afectadas directa ou indirectamente pelo crime, tais como familiares, amigos, colegas. A APAV existe para apoiar. Os serviços da APAV são GRATUITOS e CONFIDENCIAIS.

{Notícias Sobre a Ucrânia}

A UE condena com a maior veemência a agressão militar não provocada e injustificada da Rússia contra a Ucrânia. Trata-se de uma violação flagrante do direito internacional, incluindo a Carta das Nações Unidas. Apelamos à Rússia para que cesse imediata e incondicionalmente todas as hostilidades, retire o seu pessoal militar e equipamento de todo o território da Ucrânia, no pleno respeito pela soberania, independência e integridade territorial da Ucrânia dentro das suas fronteiras internacionalmente reconhecidas. A UE apoia os princípios e objetivos fundamentais da fórmula de paz da Ucrânia enquanto via legítima e credível rumo a uma paz global, justa e duradoura.
Em destaque no SAPO Blogs
pub