Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

{Cotovia} e Companhia

Olá Pessoas! Bem-vindas ao blogue da Cotovia onde (m)ando {cotovia}ando! Sigam a cor deste vôo: "Nascemos poetas, só é preciso lembrá-lo. Saber é quase tudo. Sentir é o Mundo." @mafalda.carmona

Olá Pessoas! Bem-vindas ao blogue da Cotovia onde (m)ando {cotovia}ando! Sigam a cor deste vôo: "Nascemos poetas, só é preciso lembrá-lo. Saber é quase tudo. Sentir é o Mundo." @mafalda.carmona

{Cotovia} e Companhia

05
Fev24

O Mestre


Cotovia@mafalda.carmona

Cygnus_olor_2_(Marek_Szczepanek).jpg

(*1)

E O Rei Cisne
{Conto}

"Leis, Ordens e Costumes para Cisnes, 1482, reinado de Edward IV:


O Cisne é uma pura e graciosa besta.

A sua penugem é branca como a neve, igualmente breve,

pois significa a natureza fugaz da coisa bela.

Embora desejemos que o nosso esplendor seja eterno,

nada deve permanecer no que outrora foi." (*2)

 

Nos meandros da minha existência, onde a tarefa de guardião dos cisnes reais transcende o limite do tempo, desde os dias precoces em que abandonei o Slimbridge Wetland Centre com apenas 18 meses de idade, percebo que as experiências no cumprimento do meu cargo definem a minha essência. Mas, no emaranhado de normas e deveres, aos quais me submeto com fidelidade, encontro uma satisfação profunda nesta responsabilidade de mestre, guardião ou, nos dias actuais, guarda dos cisnes.

A vida, entretanto, não é um conjunto de obrigações impessoais. Desdobra-se, felizmente, em momentos de lazer que se tornam essenciais, um refúgio que transcende o dever. Nessas pausas, sinto uma satisfação semelhante ao momento em que o choco dos ovos cessa, e o leve chilrear das crias preenche o ar.

Ao regressar ao ninho após um dia de afazeres, despojo-me do casaco do fato vermelho, uma peça que se tornou um símbolo pessoal, sob o manto de penas brancas e macias. Desde os tempos da televisão a preto e branco, cultivo a minha lealdade ao canal da BBC, uma homenagem à Soberana, que já não está entre nós, mas cujas preferências continuo a honrar.

Além de assistir aos programas na televisão, maioritariamente sobre vida selvagem, nesta estação exigente, procuro mergulhos alternativos, que não os do lago gélido, como o da leitura. As escolhas de leitura não são meramente uma preferência, mas um portal para a minha individualidade e carácter. Cada autor seleccionado é um convite para que outros entrem na minha esfera mais íntima, a minha mente.

Ao contrário da leitura, que abraço conforme as minhas expectativas e preferências, também me dedico a escrever, mas a escrita desafia-me e delimita-me, impondo-me outro grau de exigência; "Como encontrar a palavra precisa para descrever, por exemplo, a beleza da paisagem ou dos cisnes sob o meu cuidado?", pondera em voz alta, enquanto afaga as penas do peito, esquecendo a pena de escrita perdida no meio das penas da sua asa. Continuando as suas divagações acrescenta para si mesmo, mas com a secreta confiança de que a sua companheira o escuta: " Contudo, a escrita não é uma mera manifestação de liberdade; tem de ser exercida com a necessária transparência, ou leveza, da minha essência. A ausência de verdade, decerto comprometeria a minha atribuição como cuidador, afastando os magníficos seres sob minha tutela, como se eu me transformasse numa mancha de bolor no tranquilo lago."

A honestidade, compreendo, é a base sobre a qual construo a minha existência. Não me vejo como o proclamado "rei dos cisnes", uma designação que rejeito. Evito a soberba, pois sei que ela me levaria à perda de respeito por mim mesmo e pelos outros, um afastamento não apenas dos meus pares, mas também dos meus antepassados e, inaceitável, do verdadeiro monarca, Sua Majestade, o Rei Charles III.

Embora nunca tenha dirigido cumprimentos pessoais a Sua Excelência Alteza Real, sinto-me em grande sintonia através do gosto comum pelas actividades na natureza e jardinagem, embora eu me dedique mais à limpeza e preservação dos pequenos e grandes lagos. Ambos contribuimos para preservar os costumes e um modo de vida enraizado em tradições imutáveis, mantendo vivo o conhecimento essencial para a interacção entre o mundo exterior e a minha existência singular, onde a minha arte forma um território maior que o simples ninho de um metro de diâmetro.

Ao partilhar o conhecimento com a próxima geração, reconheço a riqueza que essa troca proporciona. Encarregado de transmitir este legado aos netos, com a ajuda dos meus filhos e da companheira de uma vida inteira, testemunho com alegria o interesse dos mais jovens em aprender e seguir os meus vôos. Como eles, sempre fui curioso e criativo, recordando com saudade as iteracções, quando respondia pacientemente a uma enxurrada de questões. "De onde vêem? Existem em estado selvagem na natureza? Precisam de protecção? O que é o WWT, o WWF? É admissível o comércio? Quanto tempo vivem?".

Comprometido com a preservação desta arte, estou determinado a resgatar a criatividade e a partilhá-la como contribuição para a salvação do mundo. Apesar do tempo que me resta ser insuficiente para fazer mais, quero abrir uma pequena academia para passar esse conhecimento além da esfera familiar. Será a minha contribuição mais significativa para que todos possam conhecer e respeitar esta forma de vida.

Meticulosamente, preparo-me para redigir a missiva, alisando cuidadosamente as plumas antes de comunicar ao meu prezado Rei esta notícia extraordinária. Acredito que ele aceitará receber este humilde súbdito e planeio informar o Soberano sobre a minha pretensão, para que a passagem do testemunho seja aprovada, permitindo que outros interessados continuem esta tradição. "Ai ai, onde estará a pena de escrita?", questiono, na urgência de redigir a missiva. A minha companheira, imperturbável, numa elegância extrema, vence os poucos metros que nos separam no nosso lago de inverno coberto, como uma bailarina, e, sem esforço, recolhe de uma das minhas asas a pena de escrita perdida. "Não sei o que seria de mim sem ti. Obrigada querida." Agradeço e questiono:" Achas que o Rei me receberá?" Olha-me longamente e enquanto se afasta responde: "Espero que não querido, receio que como os teus antecessores, fiques tão encantado com o palácio, que não retornes, mas lamento informar, no Palácio Real, existem coisas que não vais querer saber, tal como o meu bater de patas me sustenta levemente, sem que vejas a violência por baixo das águas."

O rei cisne fica a cismar sobre as palavras da companheira, decide deixar cair a missiva que se dissolve nas águas, e guardar a pena para outras escritas.

Fim

 

(*1) Imagem de Wikipédia.com, data inicial de publicação 2007, créditos actualizados na data de 13h25min de 11 de Julho de 2022, sob licença Creative Commons Atribuição-CompartilhaIgual 4.0 Internacional, utilizada sem alterações, com efeito meramente ilustrativo. Link: https://commons.wikimedia.org/wiki/File:Schwanflug22.jpg como parte integrante do artigo principal, link aqui: https://pt.m.wikipedia.org/wiki/Cisne

(*2) Transcrito do episódio 6 da sexta temporada da série "The Crown".

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quem é esta Cotovia?

Sigam-me Noutros Vôos

{Instagram}

{Cotovia} Instagram Feed

{Facebook}

Ilustração Perfil @mafalda.carmona

Vôos de Outras Aves

Calendário

Fevereiro 2024

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
2526272829

Voar ao calhas

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Blogs Portugal

{Cotovia} em Colectânea

Sinopse A Coletânea “ERA UMA VEZ…ALENTEJO” é uma obra que inclui poemas, fotografias, ou obras artísticas originais cujo tema e foco principal seja o Alentejo, e está abrangida no projeto europeu “Antologias Digitais”. Tendo a cidade de Évora sido recentemente nomeada Capital Europeia da Cultura 2027, faz todo o sentido homenagear não só a cidade como também toda a beleza circundante e riqueza cultural da região, e observar as maneiras como estas inspiram as pessoas de vários pontos do globo. Autor: Vários Formato: pdf Edição: 08.05.2023 Ilustração capa e contracapa: Ana Rosado; Vítor Pisco Editora Recanto das LetrasBaixar e-book

{Cotovia} em Antologia

Sinopse Aquilo que temos vindo a testemunhar desde 20 de fevereiro de 2022, provoca em nós sentimentos complexos, melhor expressados através da arte. Esta antologia recolhe estes sentimentos, e distribui-os para quem neles se reconforta e revê. Para o povo ucraniano, fica a mensagem de acolhimento, não só em tempos de crise, mas sempre. Porque é difícil expressar a empatia por palavras, mas aqui fica uma tentativa, por 32 autores, nacionais e internacionais. Autor: Instituto Cultural de Évora Formato: pdf Edição: 14.08.2023 Ilustração capa e contracapa: Ana Rosado Editora Recanto das Letras

{Apoio à Vítima}

A APAV tem como missão apoiar as vítimas de crime, suas famílias e amigos, prestando-lhes serviços de qualidade, gratuitos e confidenciais. É uma organização sem fins lucrativos e de voluntariado, que apoia, de forma qualificada e humanizada, vítimas de crimes através da sua Rede Nacional de Gabinetes de Apoio à Vítima e da sua Linha de Apoio à Vítima – 116 006 (dias úteis: 09h – 21h). Aquando de um crime, muitas pessoas, para além da vítima directa, serão afectadas directa ou indirectamente pelo crime, tais como familiares, amigos, colegas. A APAV existe para apoiar. Os serviços da APAV são GRATUITOS e CONFIDENCIAIS.

{Notícias Sobre a Ucrânia}

A UE condena com a maior veemência a agressão militar não provocada e injustificada da Rússia contra a Ucrânia. Trata-se de uma violação flagrante do direito internacional, incluindo a Carta das Nações Unidas. Apelamos à Rússia para que cesse imediata e incondicionalmente todas as hostilidades, retire o seu pessoal militar e equipamento de todo o território da Ucrânia, no pleno respeito pela soberania, independência e integridade territorial da Ucrânia dentro das suas fronteiras internacionalmente reconhecidas. A UE apoia os princípios e objetivos fundamentais da fórmula de paz da Ucrânia enquanto via legítima e credível rumo a uma paz global, justa e duradoura.
Em destaque no SAPO Blogs
pub