Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

{Cotovia} e Companhia

Olá Pessoas! Bem-vindas ao blogue da Cotovia onde (m)ando {cotovia}ando! Sigam a cor deste vôo: "Nascemos poetas, só é preciso lembrá-lo. Saber é quase tudo. Sentir é o Mundo." @mafalda.carmona

Olá Pessoas! Bem-vindas ao blogue da Cotovia onde (m)ando {cotovia}ando! Sigam a cor deste vôo: "Nascemos poetas, só é preciso lembrá-lo. Saber é quase tudo. Sentir é o Mundo." @mafalda.carmona

{Cotovia} e Companhia

07
Jul23

Cor...


Cotovia@mafalda.carmona

IMG_20230706_214224.jpg

(1)...Ou McCurry: O desígnio da cor e a Antologia Poética de Natália Correia.


A primeira referência deste postal aborda o documentário de 2021, com a colaboração da Creative Europe Media Programme of the European Union, que apresenta um olhar sobre o fotógrafo Steve McCurry, o autor por detrás das célebres fotografias das quais a mais conhecida será o retrato da "sua" "Rapariga Afegã", as dificuldades, riscos e perspectivas ao longo de 40 anos de trabalho onde criou algumas das imagens mais impactantes do Homem do nosso tempo, neste filme de autoria de Denis Delestrac, e a poesia de Natália Correia na introdução da Antologia Poética, das publicações Dom Quixote, de 2919, organizada e seleccionada, por Fernando Pinto do Amaral, com enfoque no seu prefácio.


Em comum, a percepção que dão da visão de si mesmos enquanto autores e do mundo, e a influência que exercem no decurso do tempo, do nosso tempo e da nossa história comum e particular.


Bonnie McCurry Reum, irmã e presidente do estúdio afirma acerca de Steve McCurry algo que, também na minha visão pessoal, se assemelha a toda a obra artística, seja de imagem, seja de escrita em prosa, prosa poética ou poesia, seja de pintura ou escultura, de cinema, de música, de dança, de teatro, e aqui na área da fotografia:


"Todas as fotografias que um fotógrafo tira são,  em certa medida um auto-retrato. São reveladoras de uma pessoa, do que lhe interessa...do que lhe toca, do que é profundo para ela. E há algo da sua psique que é revelado."

IMG_20230706_231248.jpg

(2)

Por outro lado, Steve McCurry começa o documentário afirmando:

"Um dia, o mundo vai ser uma espécie de terminal de aeroporto grande e homogéneo, Vai ser tudo vidro, metal e cimento. Podemos estar em Xangai, Cabul ou Buenos Aires, que vai ser tudo igual. Não sei se queremos viver num mundo sem cor sem diferença.(...)


Nós percebemos que o progresso é imparável, que é inevitável e que as coisas mudarão, mas vamos, pelo menos, guardar alguma recordação da forma como éramos.(...)


A fotografia é apreciar o mundo, encontrar uma imagem , uma situação, que fale uma linguagem universal. Tenho uma necessidade constante, ou um impulso, de criar um álbum fotográfico da nossa espécie, antes de o mundo avançar e as suas nuances desaparecerem."


E, também a propósito da cor, da sinestesia presente na poesia, cheguei a Natália Correia, e ao prefácio desta Antologia Poética:


"A poesia de Natália Correia surge relacionada com uma excepcionalidade inquietante e perturbadora, (...) acentua-se a dimensão gustativa, sensorial ou carnal da poesia, inscrevendo-se num entendimento global do mundo em que o o espírito é tão real como uma árvore, pressupondo uma integração harmoniosa com a natureza."


"A arpa do vento
e os teus dedos de ventania
compuseram uma canção
da mais fantástica alegria(...)

É uma onda de magia
onde se enrolam os mortos
erguidos da terra fria
dum rosto que lhes pintou
a nossa melancolia"


Natália Correia.

IMG_20230706_211513.jpg

(3) capa do livro "Natália Correia - Antologia Poética

(1), (2) e (4) capturas do documentário Steve McCurry: O desígnio da cor

P.S.

Ainda relativamente ao tema deste postal, a cor, mas no sentido do "colorido" da escrita conforme referi em  Natália Correia, á uma ocorrência especial relativa aos sentidos que é a sinestesia, mas da qual irei aqui fazer um pequeno apontamento, o da sinestesia como figura de linguagem, e, no caso, aplicada à poesia, e até são duas palavras que rimam.

"Cada modalidade sensorial possui receptores que só reagem a um tipo especifico de estímulo. Na criança pequena, todavia, a visão, audição, o tacto, o paladar e o olfacto estão ainda misturados, e poucas pessoas adultas conservam esta capacidade de sentir multiplos sentidos em simultaneo atraves dos mesmo receptores, uma em cada 500 000, ou sinestesia. (...) 

Poetas e escritores, fascinados pelo fenómeno, procuraram captar as correspondências secretas de um mundo onde os sentidos se correspondem mutuamente:

Depois de Baudelaire "os perfumes, as cores e os sons respondem uns aos outros" Rimbaud, no seu soneto das "Vogais" (1871), explora uma álgebra misteriosa "A preto, E branco, I vermelho, U verde, O azul" (...) in ABCeário dos Cinco Sentidos, Jornal Público.

IMG_20230707_192511.jpg

(4)

14
Dez22

Nada é novo debaixo do Sol...


Cotovia@mafalda.carmona

Está tudo inventado, a vida de um Hamster, Ariadne, Anjos e Inteligência Artificial

  • Olá Pessoas! Neste dia em que um enorme avanço na fusão nuclear a frio é alcançado, tenho novo monólogo da Cotovia, sobre a validade de duas afirmações: 

"já está tudo inventado";

e (muito pertinente)

"nada é novo debaixo do sol."

Esclareço de antemão, perdão, de ante-asa que discordo de ambas.


Muitas vezes, demasiadas quanto a mim, me deparei com esta afirmação, ou suas semelhantes em diferentes sítios, com diferentes vozes: "Está tudo inventado" e "nada é novo debaixo do sol".

salk-institute-kahn-edward-abeyta.jpg

Salk Institute (Louis Kahn) 

Quando o arquiteto Kahn projetou o centro de pesquisa, ele imaginou que contribuiria para a melhoria da humanidade. Kahn cria espaços de laboratório espaçosos e desobstruídos, adaptados às necessidades em constante mudança da ciência. Os materiais de construção tinham que ser simples, fortes, duráveis ​​e livres de manutenção o mais possível.

IMG_20221213_233029.jpg

Quanto a "não há nada de novo debaixo do sol" é uma afirmação com 3000 anos,  provinda da Biblia, no livro Eclesiastes que se inscreve na corrente de sabedoria, e é atribuído a Salomão, " filho de David, rei de Jerusálem". A reflexão sobre o tema central "A Vida terá Sentido?" , escrito no século III a.C. , revela:

"um pessimismo deste livro que, afinal, se mostra profundamente crítico, lúcido e realista. (...) e o discurso oscila entre a repetição do antigo, a sua negação no presente da experiência quotidiana, e a busca interrogada que ainda não obtém respostas." 

Nesse sentido, quanto à afirmação tantas vezes repetida como uma confirmação de que nada é original, remete para a leitura na íntegra ( e íntegra) do texto, para a devida contextualização:

"daí a complexidade do ópusculo, as diversas leituras possíveis e o recurso dos estudiosos a vários autores para explicar a aparente  multiplicidade de linhas teológicas".

in  Bíblia Sagrada, ed. Soc. S. Paulo, 1993, com prefácio do Secretário da Conferência Episcopal Portuguesa.

 

Quanto a "Está tudo inventado", quem o terá dito terá sido o Duell, Charles, e o motivo desta sua afirmação, terá sido feita no contexto de uma proposta para o encerramento da secção de registo de novas patentes. Ora não só a sua proposta foi rejeitada, como as patentes continuam a ser uma realidade.


"Para que uma patente possa ser depositada é necessário que o produto ou processo motivo do pedido seja um invento novo, sem similaridade com algo já existente".como podemos ler no site justica.gov.pt/registos : "A patente permite-lhe proteger uma invenção nova, que ainda não tenha sido tornada pública e que não seja óbvia relativamente ao que já foi divulgado",

Esclarecendo de seguida o que significa ser nova (por ter atividade inventiva), e também, daqui se subentende a realidade da perpétua saga inventiva e criativa do ser humano, a diferença entre a patente natural e a de origem na inteligência artificial, sendo que, por enquanto, a inteligência artificial não tem direitos diretos, ou naturais, de patente. No entanto já estivemos mais longe do universo retratado em "2001 uma odisseia no espaço" de Kubrick ( e Arthur C. Clarke) datado do ano de 1968.

i283041.jpeg

HAL-9000: o terror de 2001. (Foto: Reprodução/Metro-Golden-Mayer)

O que me leva ao artigo de Bergson sobre "o esforço da invenção" :

"O escritor que escreve um romance, o autor dramático que cria personagens e situações, o músico que compõe uma sinfonia, o poeta que compõe uma ode, todos têm no espírito, em primeiro lugar, alguma coisa de simples e de abstracto, isto é, de incorpóreo. Para um músico ou para o poeta é uma impressão nova que se procura transformar em sons ou em imagens. Para o romancista ou dramaturgo é uma tese a desenvolver em acontecimentos; um sentimento, individual ou social, a materializar em personagens vivas.

Trabalha-se sobre um esquema do todo, e o resultado é alcançado quando se chega a uma imagem distinta dos elementos. (...)  

IMG_20221213_195642.jpg

Portanto, e tal como a entidade que rege as patentes discordou, por motivos que certamente indicou, também eu tenho de discordar de Duell... por motivos que em seguida refiro:

Primeiro, entendo que rejeitar a originalidade é rejeitar a própria existência.

Segundo, é a assunção de já estar tudo vivido.

Terceiro, ( vem aí o hamster...) é assumir que tudo existe ou existiu antes, nada surge de novo, que a partir de um dado ponto seremos, enquanto Humanidade, nada mais do que o hamster que faz girar a máquina de Deus retratado na série da Netflix, "Ninguém Tá olhando".

Netflix, trailer de ‘Ninguém Tá Olhando’, Será mesmo que o Chefe é, apenas, um hamster que só fica correndo para dar “corda” ao maquinário das bolinhas ou existem alguém?


Assim, pelos pontos supra referidos, discordo veementemente, com esta afirmação do "já está tudo inventado".

Além disso, o dado fundamental a provar que não está tudo inventado, é a impossibilidade de terem sido colocadas todas as perguntas, ou estarem dadas todas as respostas. Portanto, enquanto existirem perguntas para fazer, não está tudo inventado, nem saberemos como se apresentará o Mundo, nem a Humanidade, no Futuro.

E sim, vale a pena continuar a fazer perguntas que ainda ninguém formulou, e a encontrar originalidade para criar algo de autenticamente novo e diferente do que existe.


Por outro lado, também não concordo com a afirmação de que toda a obra ou é um roubo ou é uma cópia, e que o segredo está em copiar tão bem que não se perceba a cópia, como se não tivéssemos aprendido a lição pelos nossos próprios meios e estivéssemos num exame a copiar pelo colega da frente ou do lado, e tivéssemos de o fazer com engenho, para o conteúdo ser o mesmo mas com uma forma aparente diversa, para ninguém ser descoberto e anulados ambos os exames, (por isso até para escolher quem se deixa copiar é preciso ser um bom conhecedor do génio humano).

A utilidade deste processo é que me escapa, pois, não apenas confirma a inexistência de conhecimento, como também a futilidade deste mecanismo, que se revela inútil para gerar qualquer coisa criativa original, ao não ter fundamentos, as tais bases essenciais do conhecimento prévio. 

A cópia é, ou será em hipótese, útil quando, e, se está em fase de aprendizagem, enquanto que a informação não é absorvida e incorporada. Depois disso é desnecessária e prejudicial, pois impede a descoberta de um estilo próprio, seja de pensamento, seja de expressão, criativos.


A proliferação da cópia é contraproducente porque há perguntas que só existem dentro de cada um.

E é importante que essa particular visão, transposta em perguntas, se torne real, para que quem formula essas perguntas, prossiga para o campo da criação de modo tão intuitivo como respirar, e assuma o risco e a responsabilidade de trazer essa nova realidade ao mundo, transformando-o.

Esse será o verdadeiro problema da originalidade, se for governada pela prudência e pela continuação da formulação das mesmas perguntas seguras, os resultados serão os mesmos, os limites do conhecimento estáticos, inalterados, o mundo pára de girar, e o Hamster nunca será descoberto.


Mais, aquele que sabe, conhece, não precisa que lhe mostrem nada, que lhe revelem os segredos, que lhe expliquem como operar a magia, basta-lhe olhar e compreende e reconhece o funcionamento daquele mundo. Mesmo se isso implicar labutar horas infindas na busca desse conhecimento que intui existir e que ambiciona dominar.

Pela observação do mundo, não só é possível entender o seu funcionamento, a "macchina interna funcionale", como através da reflexão, descobrir os segredos da técnica ou tecnologia e seguir para a frente, tendo como novo ponto de partida o estadio imediatamente anterior, como se fosse uma teia de Ariadne, a aguardar, pacientemente ser meramente finalizada pela intervenção humana.

IMG_20221214_001935.jpg

Criatividade e Potencial Criativo


Ou seja, para o processo de aprendizagem é necessário o acompanhamento para (re)conhecer o Mundo e o conhecimento e adquirir as ferramentas adequadas a cada área, para se iniciar o processo onde se passa das perguntas iniciáticas do "-porque?", para se propor os "-e se...?" e finalizar com o "-como?".

Reconhecemos estas Gigantes Pessoas em Darwin, Montessori, Gaudí, Mozart, Callas, Heinstein, Seymour, Verne, Rego, Duncan, Johnson, Picasso, e não apenas estas 12 magnificas Pessoas, muitas mais.

Não haveria aqui espaço para referir todas aquelas Pessoas que nos fazem sentir Gigantes enquanto Humanidade, e Formigas enquanto Pessoas, pelo reconhecimento da enorme distância que separa o comum mortal do génio intemporal na sua capacidade de propor a pergunta certa, o "-e se... em vez de ser assim fosse de outro modo?"

palavra justa 2.JPG


Encontrar essa pergunta que propõe alternativas, essa pergunta justa, no sentido de ser a pergunta certa, certeira, correta, adequada, aí reside o propósito, ou missão, para quem pretende ter uma vida criativa, e... quem sabe, genial.

E para vós Pessoas, fica a seguinte pergunta:

O que acham, já estará tudo inventado ou ainda é tempo para originalidade, e a criatividade é inata ou algo passível de ser desenvolvido?

Boas reflexões, boa semana, Pessoas!

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quem é esta Cotovia?

Sigam-me Noutros Vôos

{Instagram}

{Cotovia} Instagram Feed

{Facebook}

Ilustração Perfil @mafalda.carmona

Vôos de Outras Aves

Calendário

Julho 2024

D S T Q Q S S
123456
78910111213
14151617181920
21222324252627
28293031

Voar ao calhas

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Blogs Portugal

{Cotovia} em Colectânea

Sinopse A Coletânea “ERA UMA VEZ…ALENTEJO” é uma obra que inclui poemas, fotografias, ou obras artísticas originais cujo tema e foco principal seja o Alentejo, e está abrangida no projeto europeu “Antologias Digitais”. Tendo a cidade de Évora sido recentemente nomeada Capital Europeia da Cultura 2027, faz todo o sentido homenagear não só a cidade como também toda a beleza circundante e riqueza cultural da região, e observar as maneiras como estas inspiram as pessoas de vários pontos do globo. Autor: Vários Formato: pdf Edição: 08.05.2023 Ilustração capa e contracapa: Ana Rosado; Vítor Pisco Editora Recanto das LetrasBaixar e-book

{Cotovia} em Antologia

Sinopse Aquilo que temos vindo a testemunhar desde 20 de fevereiro de 2022, provoca em nós sentimentos complexos, melhor expressados através da arte. Esta antologia recolhe estes sentimentos, e distribui-os para quem neles se reconforta e revê. Para o povo ucraniano, fica a mensagem de acolhimento, não só em tempos de crise, mas sempre. Porque é difícil expressar a empatia por palavras, mas aqui fica uma tentativa, por 32 autores, nacionais e internacionais. Autor: Instituto Cultural de Évora Formato: pdf Edição: 14.08.2023 Ilustração capa e contracapa: Ana Rosado Editora Recanto das Letras

{Apoio à Vítima}

A APAV tem como missão apoiar as vítimas de crime, suas famílias e amigos, prestando-lhes serviços de qualidade, gratuitos e confidenciais. É uma organização sem fins lucrativos e de voluntariado, que apoia, de forma qualificada e humanizada, vítimas de crimes através da sua Rede Nacional de Gabinetes de Apoio à Vítima e da sua Linha de Apoio à Vítima – 116 006 (dias úteis: 09h – 21h). Aquando de um crime, muitas pessoas, para além da vítima directa, serão afectadas directa ou indirectamente pelo crime, tais como familiares, amigos, colegas. A APAV existe para apoiar. Os serviços da APAV são GRATUITOS e CONFIDENCIAIS.

{Notícias Sobre a Ucrânia}

A UE condena com a maior veemência a agressão militar não provocada e injustificada da Rússia contra a Ucrânia. Trata-se de uma violação flagrante do direito internacional, incluindo a Carta das Nações Unidas. Apelamos à Rússia para que cesse imediata e incondicionalmente todas as hostilidades, retire o seu pessoal militar e equipamento de todo o território da Ucrânia, no pleno respeito pela soberania, independência e integridade territorial da Ucrânia dentro das suas fronteiras internacionalmente reconhecidas. A UE apoia os princípios e objetivos fundamentais da fórmula de paz da Ucrânia enquanto via legítima e credível rumo a uma paz global, justa e duradoura.
Em destaque no SAPO Blogs
pub