Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

{Cotovia} e Companhia

Olá Pessoas! Bem-vindas ao blogue da Cotovia onde (m)ando {cotovia}ando! Sigam a cor deste vôo: "Nascemos poetas, só é preciso lembrá-lo. Saber é quase tudo. Sentir é o Mundo." @mafalda.carmona

Olá Pessoas! Bem-vindas ao blogue da Cotovia onde (m)ando {cotovia}ando! Sigam a cor deste vôo: "Nascemos poetas, só é preciso lembrá-lo. Saber é quase tudo. Sentir é o Mundo." @mafalda.carmona

{Cotovia} e Companhia

13
Nov23

Cor de Buganvília

{Série Cores de Outono}


Cotovia@mafalda.carmona

IMG_20231112_163421.jpg

Cor de Bougainvillea Viandante

{Soneto Hendecassilábico}

**

Pétala bailarina sonha dançar

Tem o espinho feroz a mesma vontade,

Silenciosa música sem idade,

As raízes compõem à luz do luar.

*

Em alegres andanças vai a viandante,

Seu destino será partir caminhando,

Procurando no Zéfiro a liberdade,

À margem da armadilha segue elegante.

*

Mas a atenção impõe constante vigília,

E se o espelho confunde a realidade,

Noite e dia escrevem tons de claridade.

*

Voa, voa, tu és Cor de Buganvília,

És borboleta em flor, botão de bondade,

És convite de vôo para a Eternidade.

****

 

Mafalda Carmona

12.11.2023 | 16:40 hr

30
Out23

Cores De Outono #2

{Soneto Hendecassilábico}


Cotovia@mafalda.carmona

IMG_20231029_174352.jpg

 

Cor de Tomate Destemperado

{Soneto hendecassilábico}

**

Repasto do melro, da rola e pardal,

És pequeno tomate destemperado,

O tempo da estação passou-te ao lado,

E a Cotovia te encontrou no quintal.

*

É veloz na dedução precipitada,

Sua opção escolher a parte animal,

No lugar da humana racional,

Que nem te cuidou nem te agradeceu nada.

*

Não será isso culpa sua exclusiva,

A rica natureza está transtornada,

Consequência da alteração global.

*

Mas esta cultura díspar, excessiva,

E este estranho outono deixam-na espantada,

Receia que sejas tu o Rei do Natal.

****

 

Mafalda Carmona 

27.10.2023 | 19.21 hr

 

25
Set23

Soneto Inocente

{Soneto Hendecassilábico}


Cotovia@mafalda.carmona

IMG_20230924_192232.jpg

 

Bom dia Pessoas!

  • Nesta segunda-feira, a primeira desta semana, e também ela, a primeira, do Outono, partilho convosco um Soneto, no qual, tal como neste outono, com semelhança a um verão tardio, as aparências iludem, ou as iludências aparudem... a acompanhá-lo uma foto também ela com iludências... perdão, aparências que iludem, e podem ver a versão original em @_carmona.ph_ no perfil da sua autora, Raquel Carmona.

Espero que gostem, boa semana, bom outono!

 

Soneto Inocente 

**

Aproximas-te e o teu olhar delata-te,
Regozijas em ver a ferida recente.
A opereta em ocaso iridiscente,
Esconde a tesoura baça de alfaiate.

*

Sei que, rente, vais cortar as minhas asas,
Como gato que arranha cetim brilhante.
A luz escura d'aragem, embriagante,
É gambiarra fumegante nas casas.

*

Um roçagar breve na porta e avanças,
Rasgo indiferente surge de rompante,
Num fio pesado que cresce e trespassa.

*

Enquanto o tecido esticado amordaça,
Um pedido nasce na viela distante,
"Noite... Termina a caça... Sou tão-só traça."

**

Mafalda Carmona

24.09.23 | hr. 16:45

(vr. 10 edit. 25.09.23)

05
Jun23

Tempo Perdido

Poesia Soneto Hendecassilábico


Cotovia@mafalda.carmona

IMG_20231016_100657.jpg

 

(*)Tempo Perdido 

**

Escapas, audaz e esquivo, intocável,

Persigo-te e és imparável tratante.

Insistente fuga, razão inconstante,

Onde andas, altivo, ágil e implacável?

*

Culpa minha a deste jogo inaceitável?

Logo serei eu uma ilusão constante?

Quando és tu o cúmplice deselegante,

Rude e a todo e cada instante intragável?

*

É hora, por mim és tempo desmedido,

Serás generoso, atinado e aprende,

És meu, vou guardar-te e ver-te rendido.

*

Porque me afastaste com tanta insistência?

Pára, vê, enxerga que mando eu, entende,

Que se fui ninguém, Hoje, sou resistência.

****

Mafalda Carmona

04.06.23 11.45h

(05.06.23 00.10h editado)

(Soneto em verso hendecassilábico)

Durante as pesquisas para escrever o soneto, e a propósito da sua gestão ou divisão, encontrei um artigo sobre o conceito do tempo na Índia e a sua evolução, em que é apresentada a contagem do tempo de um modo, a meu ver, muito poético, tem inclusive um hino para o definir, "hino do Ṛgveda":

"Doze são as jantes,

mas uma só a roda,

três os cubos;

mas quem o saberá?

dentro dela 360 raios,

fixos como pregos,

ao mesmo tempo móveis

e imóveis...".

As jantes são os meses, a roda o ano, os cubos as três estações climáticas tradicionalmente consideradas na Índia (fria , quente e húmida ) e os raios, os dias do ano.

E também a divisão do ano tem uma nomenclatura muitíssimo interessante:

"A divisão do ano em seis "estações" de dois meses cada uma:

A1- estação vasanta (primavera), que começa no equinócio de Março, compreende os meses madhu ("mel, néctar") e mâdhava ("doçura primaveril")- meses -Março e Abril

A2- griṣma ("calor estival") compreende os meses çukra ("replandecente") e çuci ("branco, luminoso") meses Maio e Junho

B1- varṣa ("chuva"),correspondente à monção chuvosa, os meses nabhas ("nuvem") e nabhasya ("nublado, enevoado") meses Julho e Agosto

B2- çarad ("outono"), que começa no equinócio de Setembro, os meses iṣa ("sucolento") e ûrja ("vigoroso") meses Setembro e Outubro

C1- hemanta ("inverno") os meses sahas ("potência, poderio") e sahasya ("poderoso") meses Novembro e Dezembro

C2- finalmente çiçira ("frescura, cacimba") os meses tapas ("calor") e tapasya (lit. "quentura, fervor" e daí "devoção austera") meses Janeiro e Fevereiro..

E segue por ai fora o artigo sobre o tempo e a sua contagem, isto tudo a propósito deste meu Soneto sobre o Tempo que podem consultar aqui Pessoas.

E, se na verdade me perco nas pesquisas sobre os temas, é a minha desgraça na gestão do tempo, porque as questões e interesse vão crescendo e se não ponho um travão a escrita fica de parte, por outro lado foi esse perder que fez nascer este Soneto em que coloco a questão:

Então e se fosse ao contrário, se fosse, não eu, mas o Tempo a perder-se?

Espero que gostem desta reflexão!

Bom domingo, dia feliz, com tempo para tudo aquilo que mais desejarem, queridas Pessoas!

(*) Origem da fotografia aqui

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quem é esta Cotovia?

Sigam-me Noutros Vôos

{Instagram}

{Cotovia} Instagram Feed

{Facebook}

Ilustração Perfil @mafalda.carmona

Vôos de Outras Aves

Calendário

Dezembro 2023

D S T Q Q S S
12
3456789
10111213141516
17181920212223
24252627282930
31

Voar ao calhas

  1. 2023
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2022
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2021
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2020
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2019
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2018
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
Blogs Portugal

{Cotovia} em Colectânea

Sinopse A Coletânea “ERA UMA VEZ…ALENTEJO” é uma obra que inclui poemas, fotografias, ou obras artísticas originais cujo tema e foco principal seja o Alentejo, e está abrangida no projeto europeu “Antologias Digitais”. Tendo a cidade de Évora sido recentemente nomeada Capital Europeia da Cultura 2027, faz todo o sentido homenagear não só a cidade como também toda a beleza circundante e riqueza cultural da região, e observar as maneiras como estas inspiram as pessoas de vários pontos do globo. Autor: Vários Formato: pdf Edição: 08.05.2023 Ilustração capa e contracapa: Ana Rosado; Vítor Pisco Editora Recanto das LetrasBaixar e-book

{Cotovia} em Antologia

Sinopse Aquilo que temos vindo a testemunhar desde 20 de fevereiro de 2022, provoca em nós sentimentos complexos, melhor expressados através da arte. Esta antologia recolhe estes sentimentos, e distribui-os para quem neles se reconforta e revê. Para o povo ucraniano, fica a mensagem de acolhimento, não só em tempos de crise, mas sempre. Porque é difícil expressar a empatia por palavras, mas aqui fica uma tentativa, por 32 autores, nacionais e internacionais. Autor: Instituto Cultural de Évora Formato: pdf Edição: 14.08.2023 Ilustração capa e contracapa: Ana Rosado Editora Recanto das Letras

{Apoio à Vítima}

A APAV tem como missão apoiar as vítimas de crime, suas famílias e amigos, prestando-lhes serviços de qualidade, gratuitos e confidenciais. É uma organização sem fins lucrativos e de voluntariado, que apoia, de forma qualificada e humanizada, vítimas de crimes através da sua Rede Nacional de Gabinetes de Apoio à Vítima e da sua Linha de Apoio à Vítima – 116 006 (dias úteis: 09h – 21h). Aquando de um crime, muitas pessoas, para além da vítima directa, serão afectadas directa ou indirectamente pelo crime, tais como familiares, amigos, colegas. A APAV existe para apoiar. Os serviços da APAV são GRATUITOS e CONFIDENCIAIS.

{Notícias Sobre a Ucrânia}

A UE condena com a maior veemência a agressão militar não provocada e injustificada da Rússia contra a Ucrânia. Trata-se de uma violação flagrante do direito internacional, incluindo a Carta das Nações Unidas. Apelamos à Rússia para que cesse imediata e incondicionalmente todas as hostilidades, retire o seu pessoal militar e equipamento de todo o território da Ucrânia, no pleno respeito pela soberania, independência e integridade territorial da Ucrânia dentro das suas fronteiras internacionalmente reconhecidas. A UE apoia os princípios e objetivos fundamentais da fórmula de paz da Ucrânia enquanto via legítima e credível rumo a uma paz global, justa e duradoura.
Em destaque no SAPO Blogs
pub