Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

{Cotovia} e Companhia

Olá Pessoas! Bem-vindas ao blogue da Cotovia onde (m)ando {cotovia}ando! Sigam a cor deste vôo: "Nascemos poetas, só é preciso lembrá-lo. Saber é quase tudo. Sentir é o Mundo." @mafalda.carmona

Olá Pessoas! Bem-vindas ao blogue da Cotovia onde (m)ando {cotovia}ando! Sigam a cor deste vôo: "Nascemos poetas, só é preciso lembrá-lo. Saber é quase tudo. Sentir é o Mundo." @mafalda.carmona

{Cotovia} e Companhia

14
Mar23

Medo...

A Fertilidade do Medo


Cotovia@mafalda.carmona

...ou o Cuquedo, ou o Medo de Al Berto. 

  • Esta plataforma do Sapo tem muitas coisas boas e bem pensadas no que ao funcionamento de uma comunidade diz respeito.

1678807968925.jpg

Quotidiano casual, fotografia de Mafalda Carmona.

E faz a diferença entre um dia através das lentes do "BW", black & white, e um dia em modo "HDR", high dynamic range, porque tal como se define, a plataforma do Sapo, tem mesmo muitas Pessoas de coração, alma e criatividade.

Uma grande comunidade onde a partilha e troca de ideias e opiniões é o ingrediente para garantir dias diferentes.

1678809882778.jpg

É também essa a informação sobre o SAPOBLOGS, acessível numa pesquisa sumária, quando se carrega no "i" nos links das partilhas do conteúdo dos blogs nas redes sociais:

1678809971037.jpg

Assim, quando através da notificação recebida por e-mail de um dos blogs que subscrevo, o Sapo me apresenta a oportunidade de ler "também em destaque no Sapo Blogs - Ler mais" para ficar a conhecer outros artigos e blogs, geralmente digo:

"-Sim!"

E, por isso, metade dos meus blogues subscritos, foram assim "descobertos" nos destaques.

Hoje foi a vez das escritas da M. me serem sugeridas pela equipa do Sapo como destaque.

O título é "Escolher ser feliz" do blog "Designing my Dream Life"

https://designingmydreamlife.blogs.sapo.pt/escolher-ser-feliz-12414

A publicação da M. fez-me recordar esta mesma lição, embora na altura ficasse por aprender, aplicada por uma amiga de juventude, curiosamente também de nome iniciado pela letra M.: ter um caderno para apontar poesias.

A "minha" M, fazia-se acompanhar do tal caderninho onde transcrevia os poemas e letras de músicas, suponho também citações do seu gosto, bem como aquelas suas escritas sobre os mais diversos temas, desde sonhos a pensamentos, seus umas vezes, alheios outras. Anos mais tarde a M. foi a professora do último ano do 1° ciclo de uma das minhas filhas, a melhor professora que eu poderia ter desejado, e sou-lhe muito grata.

Neste ponto do rever memórias, e com a descoberta destas coincidências trazidas pela leitura do post, pensei que realmente a análise (ou critica, ou análise crítica) da poesia poderá ser uma fonte de aprendizagem e conhecimento para quem tem a vontade ( "vontade" parece-me um vocábulo mais adequado do que "aspirar", a aspiração para mim é uma palavra demasiado utópica, parece-me algo irrealista, sem ter agregado o trabalho implicado no esforço consciente de alcançar um objetivo) de escrever consistentemente, poesia.

Assim, propus a mim mesma, (propostas sempre fantásticas pois reduzi as hipóteses de rejeição a praticamente zero, e, não sei se reparam, mas aprendi também aqui nos blogues, a por os meus comentários em letra de tamanho menor), levar a cabo a análise do poema correspondente ao dia de hoje do poemário de 2005 da Assírio & Alvim.

Fiquei muito satisfeita, por mais uma vez o Sapo ser um mediador de contactos pois o autor do poema de hoje, Al Berto, remeteu-me de imediato para outro blog, o (que conheci através dos destaques do Sapo) do Paulo José Martins que também conheci através dos destaques, neste post, "Será Possível Publicar em Portugal sem ter Curso Superior?":

https://paulojosemartins.blogs.sapo.pt/sera-possivel-publicar-em-portugal-sem-16802

Passemos então à análise do poema "O Medo" de Al Berto (1948-1997):

Começando, e, ainda antes de vos passar a transcrição, porque pela leitura inicial me chamou a atenção um pormenor, (que faz toda a diferença), da escolha de um vocábulo em vez de outro, pois poderíamos encontrar a palavra "espuma" e ainda assim tudo continuaria a fazer sentido, mas, quando Al Berto opta por outra palavra, dá origem a uma outra imagem, exatamente a palavra a dar origem ao título deste post:

Fertilidade

Esta "fertilidade", em conjunto com o nome dado ao livro que apresenta este poema, "Medo" conflui para a ideia de poder existir uma fertilidade no medo. Por outro lado, esta capacidade de escolha, remete para o post da M., onde a sugestão é escolher  entre a tristeza e a alegria, e, podemos perceber como, mesmo quando insuspeito, todas as coisas se ligam entre si, e elas connosco.

Aqui fica a transcrição do poema da segunda das "Doze Moradas do Silêncio", inclusa no "O Medo" https://www.academia.edu/42790080/Al_Berto_-_O_Medo

 

"A Escrita é a minha primeira morada de silêncio

a segunda irrompe do corpo movendo-se por trás das palavras

extensas praias vazias onde o mar nunca chegou

deserto onde os dedos murmuram o último crime

escrever-te continuamente... areia e mais areia

construindo no sangue altíssimas paredes de nada

 

esta paixão pelos objectos que guardaste

esta pele-memória exalando não sei que desastre

a língua de limos

 

espalhávamos sementes de cicuta pelo nevoeiro dos sonhos

as manhãs chegavam como um gemido estelar

e eu perseguia teu rasto de esperma à beira-mar

outros corpos de salsugem atravessam o silêncio

desta morada erguida na precária saliva do crepúsculo"

 

Escusado será dizer que tendo encontrado a versão on-line, me lancei na leitura deste "Medo", com imenso afã,  só ultrapassado na tabela de prioridades de leitura, pela versão do medo explicado às crianças no livro, o "cuquedo".

Retomo a minha reflexão, ou análise pessoal, deste poema:

1678807781537.jpg

Em primeiro lugar, observo que bastava alterar 3 palavras (as em itálicoe todo o sentido do poema se alteraria, mas não me cabe a mim fazê-lo, é apenas uma observação que registo para uso posterior na minha própria escrita, ou seja, mesmo um poema "finalizado", pode com alterações mínimas, mudar por completo o tema e tom, podendo daí resultar uma versão mais interessante e quiçá mais intensa ou inovadora.

Em segundo, aborda temas recorrentes na poesia deste autor como a mortalidade, a transitoriedade, a fragilidade da vida e da identidade, mas,e exatamente pela cuidadosa e intencional escolha de vocábulos, aliado ao efeito de eco em "areia e mais areia", em que transmite e reforça a ideia de movimento continuo, da repetição e da monotonia, na construção de "altíssimas paredes de nada", como se a imagem poética estivesse presa num ciclo interminável de construção e destruição,  evocando também a imagem de praia que se estende até ao infinito, a aumentar a sensação de isolamento e solidão,  eis senão quando...

Surge a paixão.

Expressa nas palavras, nas emoções expressas pelas metáforas, pela natureza, por objetos guardados, por um desejo visceral, talvez de manter vivas as memórias do passado, ou talvez, pelas imagens enigmáticas, fomos transportados para um espaço intermediário,  talvez entre o sonho e a realidade, ou entre a vida e a morte, e agora irrompemos na necessidade de nos conectarmos a ideia de continuidade da renovação através da fertilidade da criação, como uma decisão intencional, necessidade criativa tão visceral como as palavras sobre as quais recaiu a escolha de Al Berto.

Para finalizar, podem perguntar, o que aprendi com esta análise do poema?

Neste poema estão presentes vários pontos que poderiam ser avaliados de forma negativa, e a evitar para quem está a aprender, e ainda não domina a escrita de poesia, ( ou provavelmente qualquer tipo de escrita) para não ficar embaraçado com o resultado final: 

1. A aparente falta de coesão e unidade temática pois o poema parece desdobrar-se em várias direções e gerar propositadamente a dispersão,  para no final, recuperar o fio condutor que une os diferentes temas. Se este efeito não for conseguido, resta apenas a falta de coerência e foco;

2. A repetitividade (até a palavra é repetitiva...e o corretor sublinha-a como erro!) se intencional e gerida de forma adequada, funciona, se não for esse o caso, pode tornar-se cansativa e redundante;

3. A ausência de rima formal, se ausentes outras características de coesão e critério,  pode passar por falta de cuidado com a sonoridade e a musicalidade do texto, o que no caso, tendo um ritmo livre, ainda assim este flui de forma poética e musical;

4. O obscurantismo de algumas passagens, herméticas ou ambíguas, exigem ao leitor um esforço acrescido na interpretação, o que pode ser positivo no sentido de desafiar o leitor, ou subverter as suas expectativas,  mas também pode ser recebido como uma barreira e dificultar a comunicação,  a compreensão da mensagem, ou mesmo a desistência da leitura.

Além disso, a nível pessoal, retive o reconhecimento da importância da escolha das palavras, e da sua combinação, no impacto do significado do poema, aprendizagem talvez óbvia, mas que este poema ilustra na perfeição.

E neste ponto, Pessoas, após esta "de-ta-lha-da" análise, esta Dona Cotovia, como me chama aqui no Sapo o F. Carita Mata (passem pelo seu blog cheio de belas fotos e histórias do Alentejo) sinto-me uma detetive investigadora de poesia, a desvendar os mistérios "por trás das palavras" de Al Berto. Mas, muito mais haverá a refletir sobre este poema e o seu autor, a margem para interpretação é maior do que o... Cuquedo!

Só não vale chamar o medo de aprender a escrever poesia! 

SmartSelect_20230314_173928_Chrome.jpg

10
Mar23

Divagações...


Cotovia@mafalda.carmona

...ou reflexões

  • porque hoje é sexta feira, e talvez porque é o dia que antecede o fim-de-semana, talvez porque a Cotovia nasceu a uma sexta-feira, talvez porque cedo à tentação de divagar, hoje estive a atualizar o texto de apresentação do blog no perfil da Cotovia e Companhia.

 

Para quem de vós Pessoas, passam aqui de visita e que acompanham o meu blog, sabem que um dos objetivos é melhorar a escrita, bem como compartilhar livros e recursos, opiniões e reflexões. No entanto, hoje vou escrever sobre uma coisa um pouco diferente, pois quero partilhar as aprendizagens feitas até agora e apontar alguns dos pontos a favor e contra que encontrei ao longo deste caminho:

 

Pontos a favor:

Aprender novas técnicas e recursos que me ajudam a melhorar a minha escrita;

Conhecer outras pessoas que compartilham (e se são partilhas de textos lindos e emotivos, fazem sentir e pensar a um só tempo) a mesma paixão pela escrita;

Ter um lugar para partilhar a minha escrita e receber feedback construtivo.

 

Pontos contra:

O processo de aprendizagem pode ser longo e exigir muita paciência e perseverança;

Nem sempre é fácil receber feedback, tento ler nas entrelinhas dos comentários mas sinto que as críticas não apontam aspetos negativos, que sei que têm;

Às vezes é difícil conciliar a dedicação à escrita com outras responsabilidades da vida.

 

No entanto, mesmo com estes desafios, estou comprometida em continuar a aprender e melhorar a minha escrita, como diz Stephen King:

"A única coisa que precisa saber sobre escrever é que deve fazê-lo".

Screenshot_2023-03-10-12-22-37-158-edit_com.google

E, não importa se somos iniciantes ou escritores experientes, o importante é estar presente, sentar e escrever todos os dias, tentar desenvolver um estilo próprio, e, se possível, encontrar a própria voz.

Todos os dias que publico um novo post tento lembrar-me de que a dedicação e perseverança são fundamentais para melhorar e alcançar os objetivos, mas por vezes é um processo complexo e exigente, mesmo se na maioria das vezes é divertido e gratificante, outras sinto que o resultado não é satisfatório, e que o caminho é longo e os voos continuam um pouco desgovernados, pois ainda há muito para aprender.

E é por isso que gostaria de pedir a vossa opinião e sugestões: 

Vocês têm encontrado respostas para as vossas dúvidas? Quais são as vossas principais dificuldades e conquistas? Será que poderiam partilhar algumas sugestões que têm funcionado para vocês?

E é isso, um abraço e um beijinho, boa sexta-feira Pessoas da minha vida!

P.S.

Aqui fica também o link para a atualização do texto de boas vindas no perfil da Cotovia e Companhia.

P.S.#2

Já aqui falei inúmeras vezes na escritora Sara Farinha, pois foi através dela que descobri o espaço do Sapo. Por motivos que respeito, e não me impedem de continuar a ler tudo o que a Sara escreve, sou fã, não escondo, a Sara Farinha passou a ter um blog noutro formato e noutra plataforma. 

Também ela tem muitas sugestões para quem quer aprender, podem ver mais seguindo o link aqui para o sítio da Sara.

Subscrever por e-mail

A subscrição é anónima e gera, no máximo, um e-mail por dia.

Quem é esta Cotovia?

Sigam-me Noutros Vôos

{Instagram}

{Cotovia} Instagram Feed

{Facebook}

Ilustração Perfil @mafalda.carmona

Vôos recentes

Vôos de Outras Aves

  • cumplicedotempo

    Num mundo tão cinzento no que se refere a politiqu...

  • cumplicedotempo

    Eu bem digo minha amiga Cotovia, preciso tempo par...

  • Cotovia@mafalda.carmona

    Que bom que gostaste, fiquei muito emocionada com...

  • Ana D.

    Quem dera que os nossos políticos tivessem tamanho...

  • Ana D.

    Muito obrigada pela partilha deste excelente conto...

Calendário

Fevereiro 2024

D S T Q Q S S
123
45678910
11121314151617
18192021222324
2526272829

Voar ao calhas

  1. 2024
  2. J
  3. F
  4. M
  5. A
  6. M
  7. J
  8. J
  9. A
  10. S
  11. O
  12. N
  13. D
  14. 2023
  15. J
  16. F
  17. M
  18. A
  19. M
  20. J
  21. J
  22. A
  23. S
  24. O
  25. N
  26. D
  27. 2022
  28. J
  29. F
  30. M
  31. A
  32. M
  33. J
  34. J
  35. A
  36. S
  37. O
  38. N
  39. D
  40. 2021
  41. J
  42. F
  43. M
  44. A
  45. M
  46. J
  47. J
  48. A
  49. S
  50. O
  51. N
  52. D
  53. 2020
  54. J
  55. F
  56. M
  57. A
  58. M
  59. J
  60. J
  61. A
  62. S
  63. O
  64. N
  65. D
  66. 2019
  67. J
  68. F
  69. M
  70. A
  71. M
  72. J
  73. J
  74. A
  75. S
  76. O
  77. N
  78. D
  79. 2018
  80. J
  81. F
  82. M
  83. A
  84. M
  85. J
  86. J
  87. A
  88. S
  89. O
  90. N
  91. D
Blogs Portugal

{Cotovia} em Colectânea

Sinopse A Coletânea “ERA UMA VEZ…ALENTEJO” é uma obra que inclui poemas, fotografias, ou obras artísticas originais cujo tema e foco principal seja o Alentejo, e está abrangida no projeto europeu “Antologias Digitais”. Tendo a cidade de Évora sido recentemente nomeada Capital Europeia da Cultura 2027, faz todo o sentido homenagear não só a cidade como também toda a beleza circundante e riqueza cultural da região, e observar as maneiras como estas inspiram as pessoas de vários pontos do globo. Autor: Vários Formato: pdf Edição: 08.05.2023 Ilustração capa e contracapa: Ana Rosado; Vítor Pisco Editora Recanto das LetrasBaixar e-book

{Cotovia} em Antologia

Sinopse Aquilo que temos vindo a testemunhar desde 20 de fevereiro de 2022, provoca em nós sentimentos complexos, melhor expressados através da arte. Esta antologia recolhe estes sentimentos, e distribui-os para quem neles se reconforta e revê. Para o povo ucraniano, fica a mensagem de acolhimento, não só em tempos de crise, mas sempre. Porque é difícil expressar a empatia por palavras, mas aqui fica uma tentativa, por 32 autores, nacionais e internacionais. Autor: Instituto Cultural de Évora Formato: pdf Edição: 14.08.2023 Ilustração capa e contracapa: Ana Rosado Editora Recanto das Letras

{Apoio à Vítima}

A APAV tem como missão apoiar as vítimas de crime, suas famílias e amigos, prestando-lhes serviços de qualidade, gratuitos e confidenciais. É uma organização sem fins lucrativos e de voluntariado, que apoia, de forma qualificada e humanizada, vítimas de crimes através da sua Rede Nacional de Gabinetes de Apoio à Vítima e da sua Linha de Apoio à Vítima – 116 006 (dias úteis: 09h – 21h). Aquando de um crime, muitas pessoas, para além da vítima directa, serão afectadas directa ou indirectamente pelo crime, tais como familiares, amigos, colegas. A APAV existe para apoiar. Os serviços da APAV são GRATUITOS e CONFIDENCIAIS.

{Notícias Sobre a Ucrânia}

A UE condena com a maior veemência a agressão militar não provocada e injustificada da Rússia contra a Ucrânia. Trata-se de uma violação flagrante do direito internacional, incluindo a Carta das Nações Unidas. Apelamos à Rússia para que cesse imediata e incondicionalmente todas as hostilidades, retire o seu pessoal militar e equipamento de todo o território da Ucrânia, no pleno respeito pela soberania, independência e integridade territorial da Ucrânia dentro das suas fronteiras internacionalmente reconhecidas. A UE apoia os princípios e objetivos fundamentais da fórmula de paz da Ucrânia enquanto via legítima e credível rumo a uma paz global, justa e duradoura.
Em destaque no SAPO Blogs
pub